Folhas de Papel

Bem-vindos ao Folhas de Papel, um espaço dedicado à literatura de uma forma geral: a autores, livros, eventos, leitores, leituras, ideias, iniciativas… Enfim, a tudo aquilo que, de uma forma ou de outra, está associado ao vício e ao prazer de folhear pela primeira vez as páginas de um livro acabadinho de comprar.

Não leiais para refutar ou contradizer, para aceitar ou aquiescer, para perorar ou discursar, mas para ponderar e considerar. Certos livros devem ser provados; outros engolidos; uns poucos mastigados e digeridos. Quer dizer: devemos ler certos livros apenas parceladamente; outros incuriosamente, e uns poucos da primeira à última página, com diligência e atenção. Alguns livros podem mesmo ser lidos por terceiros, que nos farão deles um apanhado, mas isso somente no caso de assuntos desimportantes, e de livros medíocres, pois livros resumidos são como água destilada: insípidos.

O ler faz um homem completo, o conferir destro, o escrever exacto. Bem por isso, se alguém escreve pouco, deve ter boa memória; se confere pouco, muita sagacidade; se lê pouco, muita manha para afectar saber o que não sabe.

Francis Bacon, in “Ensaios Civis e Morais”