E-book readers

Comprar um livro é muito mais do que um processo de compra/venda e a leitura de páginas compiladas. É um passeio por entre bancas e prateleiras para encontrar o livro que mais falta nos faz no momento. É um folhear por páginas nunca abertas e preencher o livro de ar, atribuindo-lhe volume quando o fechamos. É sentir aquele cheiro tão característico a papel e tentar não vincar a capa nova.

Se há uma coisa que me intriga na sociedade de tecnologia, são os ebooks. Não conheço os dados estatísticos da quantidade de pessoas que recorre a este tipo de informação digital, nem sei tão pouco se estes novos formatos substituem de alguma forma o suporte original em papel. Tenho alguma dificuldade em aceitar que ler um livro num ebook reader ou num computador provoque a mesma emoção do que um livro em papel; parece-me demasiado artificial.

Contudo, a leitura em ebooks é um formato que não coloco completamente de parte, à partida, tendo em conta os problemas ambientais com que o mundo se depara e com a crescente preocupação na desflorestação em termos globais. Se os ebook readers têm alguma vantagem, parece-me que é essa: com livros em formato digital, deverá ser reduzida dramaticamente a quantidade de árvores debastadas anualmente em prol da paixão literária.

Pergunto: será o formato em papel um luxo a que as pessoas têm direito, preterindo as tecnologias de informação, mesmo que isso implique a continuação de problemas referentes ao seu enorme impacto ambiental?

A título de exemplo, mostro-vos  um ebook reader que encontrei na Internet aquando a escrita deste post. Trata-se de um aparelho da Sony que lê livros, bandas desenhadas, revistas, páginas de Internet, etc., com capacidade para 160 livros e com possibilidade de extensão através de cartões de memória. Lê documentos em word, pdf e BBeB, entre outros, e o display assemelha-se a um livro de papel. Os livros propriamente ditos são os mesmos encontrados em livrarias tradicionais, mas possuem um acesso mais rápido e fácil através de sites na Internet que se dedicam exclusivamente a este formato.

Este modelo (PRS-505/LC da Sony) pode ser adquirido pela “módica” quantia de 210€ (as versões anteriores custam um terço do preço).