Entre os livros

Quem resiste à tentação de comprar 1001 livros quando se dirige a grandes espaços comerciais?

No meu passeio da tarde ao El Corte Inglés, dei por mim mergulhada na área literária sem mãos a medir. Entre livros acabadinhos de ser lançados, edições especiais de livros que adoro, capas de livros que não conheço que chamam muito a atenção e títulos deliciosos, acabei por fechar os punhos determinadamente e decidir comprar apenas um. Porque já conheço as histórias, as personagens e os acontecimentos, arrisquei comprar “Um Mundo Sem Fim, vol. II”, de Follett, por menos que tenha gostado do primeiro volume, mas estou curiosa para saber como tudo termina em Kingsbridge.

Ainda hesitei pela versão original d'”O Jogo do Anjo”, de Ruíz Carlos Záfon, e mesmo pela edição comemorativa ilustrada d'”A Sombra do Vento”, do mesmo autor. Folheei “A Casa do Silêncio”, de Orhan Pamuk e ainda espreitei “A Filha do Capitão” de José Rodrigues dos Santos, embora não seja apreciadora do mesmo enquanto profissional da comunicação e enquanto escritor.

Reparei que a Nora Roberts e a Margarida Rebelo Pinto têm tantos livros publicados que ocupam quase metade de toda uma bancada o que, para mim, é sempre um motivo de desconfiança… Como é que têm tanto para dizer em tão pouco tempo? Também o Paulo Coelho têm mais um livro no mercado português, “O Vencedor Está Só”, o qual não me despertou o mínimo interesse: li mais de metade das suas obras e, sinceramente, parecem-me todas iguais.

Notei ainda que a literatura fantástica está a ganhar muito terreno no mercado português, tendo em conta o espaço que ocupa nas prateleiras, sendo que a mais recente novidade é “Brisingr”, de Christopher Paolini, que tem movido massas às livrarias mais próximas.