A colecção de Brian L. Weiss, M.D.

Como psicoterapeuta tradicional o Dr. Brian Weiss sentiu-se espantado e ao mesmo tempo céptico quando uma das suas pacientes começou a recordar traumas de vidas passadas que pareciam conter a chave de pesadelos actuais e ataques de ansiedade. No entanto, esse cepticismo cedeu quando ela começou a canalizar mensagens do “espaço entre vidas” que continham revelações notáveis. Usando a terapia de vidas passadas foi capaz de curar a paciente e iniciar uma nova fase da sua carreira.

“Muitas vidas, muitos mestres” é um dos livros que mais vezes li e que, tenho a certeza, nunca me abandonará. Trata-se do primeiro de muitos livros de Brian Weiss que não têm como objectivo adquirir uma postura arrogante de imposição de novas abordagens nem, muito pelo contrário, ser um livro nas prateleiras de auto-ajuda, o que muitas vezes acontece nas mais conceituadas livrarias. O motivo da minha adoração prende-se com o facto de “Muitas vidas, muitos mestres” me dado a conhecer novas perspectivas no dia-a-dia, enriquecendo-me como pessoa e ajudando-me a reflectir sobre questões pessoais e a definir prioridades de forma clara.

Facto: Brian Weiss é um médico norte-americano que exerce funções nos mais altos cargos dos departamentos de psiquiatria, com especialização em tratamentos e estudos sobre a ansiedade e depressão, entre outros.

O início da viagem (relatado em “Muitas vidas, muitos mestres”): Em 1980, Brian Weiss é procurado por Catherine, uma paciente de 27 anos com crises de ansiedade, ataques de pânico e momentos de angústia, situações que se verificam desde a infância. Depois de várias tentativas de tratamentos convencionais durante 18 meses, Weiss experimenta uma nova abordagem para perceber o que está na origem destes problemas, à semelhança do que Sigmund Freud defendia quando referia os traumas de infância. Assim, Brian Weiss coloca Catherine sobre hipnose, pedindo-lhe que regresse ao passado, a uma das suas mais antigas memórias… a uma das memórias que possa ter provocado, de alguma forma, os problemas de que sofria na idade adulta. Qual o seu espanto quando a paciente inicia um relato que não poderia ser real: o que Catherine descrevia parecia ser uma vida passada e, com o passar do tempo, acaba por relatar dezenas de vidas passadas, fazendo referências várias a modos de vida que até aí lhe eram conscientemente desconhecidos, a locais que nunca tinha visitado, a pessoas que conhecia actualmente mas que se cruzaram consigo noutras vidas, a mortes que tinha sofrido e que, aparentemente, seriam as causadoras do seu sofrimento actual. Para além disto, Catherine parecia também capaz de agir como receptora de informação de entidades superiores, os designados “mestres”. Após muitas sessões de regressão e de compreensão do que se tinha passado anteriormente, Catherine deixou de ter síntomas relacionados com a ansiedade, regressando à normalidade da sua vida e com uma felicidade quase indescritível.

Eu não acreditava em nada disto. Tenho uma formação muito clássica do ponto de vista académico. Tudo começou, na verdade, com Catherine, uma paciente a quem fiz hipnose, pois queria levá-la à infância, onde os seus sintomas tinham começado. Acontece que a sua mente subconsciente viajou 4 mil anos no tempo. Ela descreveu uma vida e emoções detalhadas. Brian Weiss

A problemática: Brian Weiss é um médico conceituadíssimo na área em que opera, trabalhando na direcção de vários departamentos de psicologia. É um cientista, um homem de factos, um profissional que despreza todos os métodos que não os convencionais. Contudo, muitas dúvidas surgiram quando percebeu que este novo tratamento poderia ser eficaz, mesmo que desprovido de qualquer tipo de explicação científica. Depois de trabalhar com Catherine, teve centenas de outros pacientes cujos problemas de ansiedade foram resolvidos através de viagens ao passado mas, ainda hoje, são passíveis de interrogação: serão as vidas passadas verdadeiras ou fruto da imaginação de cada um? De qualquer forma, se se trata de tratamento eficaz, não há motivo para não o continuar a utilizar:

Eu já tinha feito pessoas recuar no tempo, mas isto foi diferente das terapias tradicionais que até então tinha feito. Ela descreveu uma vida em que se afogou e depois desse relato os seus sintomas patológicos deixaram de se manifestar. Eu, como psiquiatra, queria (e quero) as melhoras dos meus pacientes. Embora estivesse ainda incrédulo com este processo menos ortodoxo, continuei a fazê-lo e a ver que, ao recuar a essas vidas passadas, os sintomas desapareciam.

Hoje em dia: Weiss continua a utilizar este método, o qual tem sido desenvolvido e melhorado com o passar do tempo e que, simultaneamente, tem revelado ainda mais informações sobre os segredos da possibilidade de reencarnação, tornando-se numa colecção filosófica interessantíssima. Uma das questões é muito curiosa: se uma forma de vida é sempre uma forma de vida, quem diz que as pessoas não experimentaram já formas de vida alienígenas? Para além disso, Weiss tem o cuidado de organizar palestras mundiais (Portugal incluído), para transmitir estes acontecimentos e ajudar quem precise nessas reuniões. Para os mais ousados e com tempo, há livros deste autor que trazem cd’s com técnicas de relaxamento, caso queiram experimentar por si próprios o regresso à infância… ou a um período anterior.

Agora sinto necessidade de partilhar experiências. Depois de tempos de pesquisa, da edição dos livros, sinto que devo expandir esses conhecimentos e estar mais próximo das pessoas. Acredito que agora é importante viajar; partilhar experiências com as pessoas. É a isso que estou agora a dedicar-me.

A colecção é toda muito interessante e um objecto fantástico de discussão. A partir de “A Divina Sabedoria dos Mestres” cansei-me um pouco, visto que a abordagem é mais teológica que filosófica, o que acaba por quebrar um pouco com aquilo que já tinha sido falado antes. Contudo, as teorias são muito cativantes e as histórias, muito bem relatadas, deixam a interrogação no ar e dão-nos a liberdade para reflectir sobre a ideia. 

Para mais informações: Brian L. Weiss