Saramago entre os finalistas do Prémio PT

José Saramago, Chico Buarque e Ondjaki são alguns dos escritores que estão entre os dez finalistas da 8.ª edição do Prémio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa 2010. Excepto José Saramago, com Caim, e Ondjaki, com AvóDezanove e o Segredo do Soviético, os restantes nomes nomeados para este prémio são escritores brasileiros, entre os quais Carlos de Brito Mello, com o seu primeiro romance, A Passagem Tensa dos Corpos, Armando Freitas Filho, com Lar, Carlito Azevedo, com Monodrama, ou Bernardo Carvalho, com O Filho da Mãe. Os dez finalistas foram seleccionados pelo júri de um total de 408 livros inscritos na 8.ª edição do Prémio Portugal Telecom de Literatura.

Os três vencedores serão conhecidos no próximo dia 8 de Novembro, durante um evento promovido pela Portugal Telecom, em São Paulo. O júri final é constituído por Alcides Vilaça, António Carlos Sechin, Benjamin Abdala Jr., Cristóvão Tezza, José Castello, Leyla Perrone-Moisés, Lourival Holanda, Manuel da Costa Pinto, Regina Zilberman e Selma Caetano.

O prémio distingue romances, contos, poesias, crónicas, dramaturgias e autobiografias, escritos originalmente em língua portuguesa, com primeira edição no Brasil, entre 1 de Janeiro e 31 de Dezembro de 2009. Participam igualmente obras com primeira edição no estrangeiro, desde que tenham tido a primeira edição no Brasil em 2009. Os vencedores receberão prémios de cem mil reais (45 454 euros), 35 mil reais (15 909 euros) e 15 mil reais (6818 euros), respectivamente primeiro, segundo e terceiro classificados.

Além dos escritores já referidos, estão ainda entre os dez finalistas Bernardo Ajzemberg, com a obra Olhos Secos, Rodrigo Lacerda, com Outra Vida, e finalmente Reinaldo Moraes, com Pornopopéia. No ano passado foi um escritor brasileiro que levou para casa o Prémio Portugal Telecom da Literatura, Nuno Ramos, graças ao livro Ó. Em segundo e terceiro lugares ficaram também nomes da literatura brasileira, mais precisamente João Gilberto Noll, com Acenos e Afagos, e Lourenço Mutarelli, com A Arte de Produzir Efeito sem Causa, respectivamente.

Informação retirada de DN online a 02 Setembro 2010