Nice girls don’t get the corner office, de Lois P. Frankel

Frankel is a recognized expert in the fields of workplace behavior and female empowerment, and the president of Corporate Coaching International. She shows that half of the American workforce is made up of women, and they still earn 76.5 cents to every dollar earned by men.

Apreciação

Partindo da diferença salarial que existe entre homens e mulheres nos Estados Unidos e a dificuldade das mulheres na ascensão profissional, Lois P. Frankel compila 101 conselhos para ajudar as mulheres a melhorar a sua postura no trabalho. Com dezenas de anos de experiência como psicóloga, coacher e consultora em Recursos Humanos, a autora trabalhou com milhares de pessoas que precisavam de fortes aconselhamentos para vingarem na sua carreira.

Pegando em casos concretos, Frankel pretende que nós, leitores, identifiquemos os nossos pontos fracos em cada um dos capítulos e os trabalhemos a partir dos conselhos de coaching. Dirigido sobretudo a mulheres, este livro parte essencialmente da forma como estas sabotam inconscientemente as suas carreiras, por motivos que se prendem com a infância e a adolescência: como dar o salto para a transformação numa mulher adulta, segura e que o mercado – maioritariamente liderado por homens – respeitará?

Quem trabalha há algum tempo, conhece as dificuldades do dia-a-dia no emprego e sabe que esses mesmos obstáculos por vezes parecem intransponíveis. Para as mulheres, os impedimentos podem parecer ainda maiores, visto que lidam com o mundo à sua volta de forma bastante diferente que os homens. Por serem mais emocionais, de forma geral não conseguem lidar com facilidade com algumas situações e criam situações paradoxais que tornam as tarefas mais complicadas.

Pensar que trabalhar demais – sem intervalos ou hora de almoço, sentir que não pode delegar, assumir que não pode dizer que não, decidir que deve acumular funções ou ter vergonha de distribuir tarefas por outros departamentos são alguns dos erros que a autora desdobra e analisa. Afinal, está na natureza feminina tentar que os outros não se sintam mal o que, geralmente, significa que as mulheres sacrificam o seu bem-estar e renunciam aos seus direitos laborais para tentarem vingar no seu percurso profissional.

O que me chamou a atenção neste livro foi a forma como são expostos de forma tão clara alguns erros que as pessoas cometem nos seus empregos, independentemente do sexo, da profissão ou do sector em que trabalham. Afinal, há falhas que são transversais a todo o mercado. Para além disso, todos os exercícios que a autora expõe podem ser transpostos para a vida pessoal / social / privada: Por se focar na transição rapariga – mulher, algumas das passagens são facilmente aplicáveis a situações do quotidiano e a algumas dificuldades (secretas) que as mulheres sentem quando estão com outras pessoas. Afinal, estamos sempre a aprender.

Ficha técnica

Edição: 288 páginas
Editora: Business Plus
Lançamento: Fevereiro 2004
Idioma: Inglês
ISBN-10: 0446531324
ISBN-13: 978-0446531320