Cinco à quinta

Cinco à quintaQue tipo de leitura prefere? Bem, acho que não tenho propriamente um género de que goste mais do que todos os outros. Mas, se tivesse de escolher, diria que o tipo de livros que mais me puxam são os romances históricos. Durante anos foi o género que mais li talvez porque se tratarem de temáticas que sempre me fascinaram (não é à toa que História é a minha disciplina favorita). O meu autor preferido dentro do género é o Christian Jacq. É um egiptólogo francês (escreve, claro, sobre o Antigo Egipto) que teve um sucesso moderado em Portugal há alguns anos… Ttodos os livros dele que cá foram publicados.

Quando entrei para a Universidade, comecei a ter de ler livros técnicos sobre História e acho que foi isso que me fez virar para a ficção especulativa (fantasia e ficção científica) e é um género que ainda hoje adoro ler. Mas a ficção histórica tem um cantinho especial no meu coração. O único género que não me apela assim muito é o thriller (Dan Browns e autores do género). De resto, dêem-me um livro e fico feliz.

O que procura quando escolhe um livro? Diversão! Para mim, ler é uma actividade de lazer (quase sempre, lol). Não procuro nada em especial (não reparo muito se é um autor conhecido, se recebeu prémios, se é considerado um génio, etc…) a não ser a promessa de uma história e personagens envolventes.

O que admira num autor? Basicamente, o facto de ter a coragem de publicar um livro. Há imensa gente com imaginações prodigiosas e histórias para contar mas nem todos têm o que é preciso para mandar os seus manuscritos, ver o livro chegar às lojas e ler as críticas negativas nos jornais, revistas e mesmo no Goodreads. Pessoalmente acho que para mim seria difícil, talvez impossível. Certamente que hoje em dia se publica muita coisa mas mesmo assim é preciso querer muito contar uma história ao mundo para se publicar um livro.

Tudo o resto: história, personagens, mundo, mensagem, são secundários, do meu ponto de vista. No entanto, gosto de um autor com sentido de humor. Em termos de escrita acho que é aquilo que sinto mais falta. Não gosto muito de livros que se levam demasiado a sério.

O que pensa dos hábitos de leitura dos portugueses em geral? Esta é uma pergunta que dá pano para mangas! Podia escrever aqui um testamento sobre o assunto; iria focar-me mais nas editoras do que nos portugueses uma vez que acho que os hábitos de leitura no nosso país estão directamente relacionados com aquilo que as editoras publicam e com os preços que praticam.

Mas, sucintamente, penso que nos últimos tempos os portugueses têm vindo a ler mais (tendência que suponho irá diminuir agora com a crise) o que é bom, claro. Não vou aqui entrar em discursos sobre se lêem porcaria ou não porque não sou do tipo de pessoas que acha que só certos livros é que têm mérito literário. Como já disse acima, ler é para mim uma actividade lúdica pelo que acho que as pessoas devem ler aquilo que lhes interessa e não aquilo que lhes dizem que devem ler. Acho que é extremamente presunçoso seja de quem for achar que deve dizer a um leitor que não é um leitor a sério se não ler “os grandes clássicos” ou José Saramago. Um livro bom é um livro de que gostamos e acho que uma pessoa que lê Nora Roberts e gosta do que lê tem mais mérito do que outra que se recusa a ler a autora porque supostamente os seus livros são ‘lixo’ e se força a ler Eça de Queirós para depois poder dizer que é erudito.

Não que Eça, Saramago ou os clássicos não devam ser lidos… Devem, claro, mas apenas se o leitor assim o desejar e não porque se sente pressionado. Eu própria gosto bastante de alguns autores clássicos, mas não é por isso que dispenso os meus romances (não da Nora Roberts, que por acaso não aprecio muito, mas de outros autores).

Tudo isto para dizer que não tenho grande opinião dos hábitos de leitura dos portugueses; penso talvez que têm gostos pouco variados (se olharmos para os livros publicados no nosso país, a maioria são dos mesmos géneros), mas louvo o facto das pessoas lerem. Ao contrário de muita gente eu penso que todos os livros têm o seu mérito pelo que não me sinto particularmente incomodada com o tipo de livros lidos em Portugal.

Qual o seu livro preferido? Porquê? Ora… Boa pergunta. Não sei se tenho um livro preferido… Tenho livros que adorei e reli vezes sem conta, mas não acho que tenha um livro preferido. O mais próximo dessa classificação é, sem dúvida alguma, “Orgulho e Preconceito” de Jane Austen.

Mas há outros que se aproximam da categoria de livro preferido… Como “Xógum” de James Clavell, “Northanger Abbey” de Jane Austen, “Harry Potter e a Câmara dos Segredos” de J.K. Rowling, os quatro livros que compõem a série “O Lugar de Verdade” de Christian Jacq e a “Rainha dos Malditos” de Anne Rice entre outros.

Participante: Slayra, blogger
Site: Livros, Livros e mais Livros

Podem ler aqui todas as participações no Cinco à Quinta até ao momento.

Para participar na rubrica, envie as respostas a estas questões para folhasdepapel.d [at] gmail [dot] com.