Cinco à quinta

Cinco à quintaQue tipo de leitura prefere? É com o mesmo prazer que leio um bom romance ou um excelente livro técnico. Aliás, há livros técnicos cujo prazer que nos causam é semelhante ao frenesim que a boa literatura provoca. Ler, por exemplo, Michio kaku, Edgar Morin, Carl Sagan, Edmund Leach, Boris Cyrulnik ou Lévi-Strauss é entrar em mundos encantados de cientistas, cujas matérias, por si próprias, constituem, como os romances, caminhos alternativos aos lugares comuns e nos transportam, de uma forma cientificamente comprovada, para mundos alternativos. Importa, contudo, que lhe diga que também gosto das aventuras do Asterix.

O que procura quando escolhe um livro? Encontrar questões diferentes das que tenho por hábito colocar.

O que admira num autor? A competência para nos revelar o quotidiano conhecido, como quem desvenda um novo mundo.

O que pensa dos hábitos de leitura dos portugueses em geral? Não me posso pronunciar, adequadamente, sobre matérias que desconheço. Mas julgo haver um crescente interesse pela leitura.

Qual o seu livro preferido? Porquê? É difícil destacar um livro. Gosto de tantos! Bom, mas tenho uma paixão particular pelo “O Mandarim” do Eça de Queirós, outra por “A Bela do Senhor” de Albert Cohen. Gosto muito do “Memorial do Convento” do José Saramago, da “Botânica das Lágrimas” do Pedro Foyos e do “Bom Inverno” do João Tordo.

Participante: Fátima Marinho, escritora.
Site: Fátima Marinho

Podem ler aqui todas as participações no Cinco à Quinta até ao momento.

Para participar na rubrica, envie as respostas a estas questões para folhasdepapel.d [at] gmail [dot] com.