Sugestão de fim-de-semana * Weekend suggestion

Escrever aquela história que não sai da cabeça.
Write that story you can’t take out of your head.

Matar saudades de casa.
Enjoy your home after being away on holidays.

E ler um livro.
And read a book.

Cloud Atlas

Cloud atlas (a.k.a. Atlas das Nuvens, 2004), David Mitchell

Uma meditação perturbante sobre o destino da humanidade. Num romance de uma imaginação e de um alcance avassaladores, David Mitchell faz desaparecer os limites da linguagem, do género literário e do tempo para nos oferecer uma meditação perturbante acerca da perigosa ânsia da humanidade pelo poder e até onde ela nos pode levar.

Um viajante forçado a atravessar o oceano Pacífico em 1850; um jovem compositor deserdado, conquistando à força de tortuosas invenções um modo de vida precário num solar da Bélgica, entre a Primeira e a Segunda Grande Guerra; uma jornalista com princípios morais na Califórnia do governador Reagan; um editor menor fugindo aos seus credores mafiosos; o testamento de uma «criada de restaurante» geneticamente modificada, ditado na ala da morte; e Zachry, jovem ilhéu do Pacífico que assiste ao crepúsculo da Ciência e da Civilização: são os narradores de ATLAS DAS NUVENS, que escutam os ecos uns dos outros através dos corredores da história e vêem os seus destinos alterados de várias maneiras.

O Autor: O primeiro romance, Ghost Written (1999) ganhou o Prémio Mail on Sunday/ John Llewellyn Rhys e foi finalista do First Book Award do Guardian. O segundo romance, Number Dream (2001) figurou na lista de finalistas para o Booker Prize e para o James Tait Black Memorial Prize. Em 2003, Mitchell foi eleito pela revista Granta um dos Melhores Jovens Romancistas Britânicos. Atlas das Nuvens (2004), é o terceiro romance e foi um dos finalistas do Booker Prize do mesmo ano; em 2005 recebeu o Literary Fiction Award e o Richard & Judy Best Read of the Year dos British Book Awards. Black Swan Green (2006) é o seu mais recente romance.

A postmodern visionary who is also a master of styles of genres, David Mitchell combines flat-out adventure, a Nabokovian lore of puzzles, a keen eye for character, and a taste for mind-bending philosophical and scientific speculation in the tradition of Umberto Eco and Philip K. Dick. The result is brilliantly original fiction that reveals how disparate people connect, how their fates intertwine, and how their souls drift across time like clouds across the sky.

“[David] Mitchell is, clearly, a genius. He writes as though at the helm of some perpetual dream machine, can evidently do anything, and his ambition is written in magma across this novel’s every page.” — The New York Times Book Review

“One of those how-the-holy-hell-did-he-do-it? modern classics that no doubt is—and should be—read by any student of contemporary literature.” — Dave Eggers

“Wildly entertaining . . . a head rush, both action-packed and chillingly ruminative.” — People

“The novel as series of nested dolls or Chinese boxes, a puzzle-book, and yet—not just dazzling, amusing, or clever but heartbreaking and passionate, too. I’ve never read anything quite like it, and I’m grateful to have lived, for a while, in all its many worlds.”—Michael Chabon