O mar * The sea

Foi a 18 de Fevereiro de 1959 que faleceu Carlos Viegas Gago Coutinho, o almirante português que, em 1921, fez, com Sacadura Cabral, a primeira travessia aérea do Atlântico Sul. É por isso que a rubrica Tema a Tema desta semana se dedica a esse infindável elemento que tem inspirado milhares ao longo dos anos e proporcionado experiências das mais variadas essências! Mergulhamos?

On February 18th 1959, Carlos Viegas Gago Coutinho died. This Portuguese admiral in 1921 was the first person, with Sacadura Cabral, to cross the southern Atlantic Ocean by plane. That’s why this week’s Theme by Theme rubric will be dedicated to this amazing element that has inspired thousands throughout the years and offered a lot of amazing experiences. Shall we dive in?

Kon-Tiki (a.k.a. A expedição Kon-Tiki / The Kon-Tiki Expedition by Raft Across the South Seas, 1948), Thor Heyerdahl

expedicao_kon_tikiTudo começou com uma pergunta: como se deslocavam os povos antigos pelo planeta? Quando uma jangada semelhante às embarcações pré-históricas deixou a costa do Peru em 1947, o norueguês Thor Heyerdahl (1914-2002) e os seus cinco companheiros sem experiência em navegação tinham uma única certeza: só o sucesso da travessia explicaria as relações entre a América e a Polinésia. Em “A expedição Kon-Tiki”, Thor relata sua experiência e cria uma obra-prima de reconstituição pré-histórica, narrando os acontecimentos que tomaram lugar ao longo de 8.000 km numa jangada no Oceano Pacífico.

The adventure of Thor Heyerdahl and his companions on their raft the Kon-Tiki has gone down in legend as a feat of endurance and courage. This is that story in his own words. Travelling across the Pacific ocean for 4,340 miles for 101 days on a wooden raft built using skills and materials only available to the pre-conquest Peruvians. Many of the earliest books, particularly those dating back to the 1900s and before, are now extremely scarce and increasingly expensive. We are republishing these classic works in affordable, high quality, modern editions, using the original text and artwork.

Columbus: The Four Voyages (a.k.a. Cristóvão Colombo – As Quatro Viagens, 2011), Laurence Bergreen

quatro_viagens_colomboA viagem de Cristóvão Colombo através do Oceano Atlântico, em busca de uma rota comercial para a China, e o seu desembarque inesperado nas Américas, em 1492, é um marco na História do mundo. No entanto, Colombo fez mais três viagens no espaço de apenas uma década, cada uma projetada para demonstrar que seria possível navegar até à China numa questão de semanas e converter os habitantes ao cristianismo. Estas viagens foram mais ousadas, violentas e ambíguas, mas revelaram a noção extraordinária de Colombo sobre o mar, a sua mente brilhante que funcionava em paralelo com ilusões de grandeza, e as suas excelentes habilidades de navegação.

Laurence Bergreen’s latest book Columbus: The Four Voyages will change everything you thought you knew about Columbus. In the first major biography of the iconic explorer in more than sixty years, Bergreen shows us the madness and genius that only those who traveled with him could have seen. Covering his four epic voyages, it’s the Columbus you didn’t learn about in school. Welcome to the voyages of a lifetime.

The old man and the seas (a.k.a. O velho e o mar, 1958), Ernest Hemingway

velho_mar“O Velho e o Mar” é, porventura, a obra-prima de maturidade de E. Hemingway. Santiago, um velho pescador cubano, minado por um cancro de pele que o devora cruelmente, está há quase três meses sem conseguir pescar um único peixe. Vai então bater-se, durante quatro dias, com um enorme espadarte, que conseguirá de facto capturar, para logo o ver ser devorado por um grupo de tubarões. Esta aventura poética, onde Hemingway retrata, uma vez mais, a capacidade do homem para fazer face e superar com sucesso os dramas e as dificuldades da vida real, é seguramente uma das suas obras mais comoventes e aquela que mais entusiasmo tem suscitado, ao longo de mais de meio século, entre os seus fiéis leitores. “O Velho e o Mar” recebeu o Prémio Pulitzer, de 1952, e, dois anos mais tarde, Hemingway obteve o Prémio Nobel da Literatura.

Set in the Gulf Stream off the coast of Havana, Hemingway’s magnificent fable is the story of an old man, a young boy and a giant fish. In a perfectly crafted story, which won for Hemingway the Nobel Prize for Literature, is a unique and timeless vision of the beauty and grief of man’s challenge to the elements in which he lives.

Vingt mille lieues sous les mers (a.k.a. Twenty thousand leagues under the sea / Vinte mil léguas submarinas, 1870), Jules Verne

Vinte_mil_leguas_submarinasJúlio Verne continua a fascinar um público interessado nas incríveis antecipações científicas, no fabuloso espírito criativo das personagens, na trama inigualável das suas narrativas fantásticas. O futuro viria a confirmar algumas das suas prodigiosas invenções conferindo-lhes, para além do seu maravilhoso poder imaginativo, um ainda maior fascínio para o leitor do século XX, conhecedor do progresso científico e dos seus tentáculos e malefícios. O mistério que sempre envolveu o mar e o desafio que as profundezas marítimas exerceram em todas as épocas sobre os homens, desejosos de as conquistar, são temas eternos que alimentam a imaginação mítica de todas as gerações. Em Vinte Mil Léguas Submarinas, é assinalado um “monstro marinho” das profundezas do Oceano; marinheiros, pescadores, cientistas, o mundo em geral, é alertado para o perigo de um misterioso habitante do mar. Organiza-se uma expedição a bordo de uma fragata americana para indagar da natureza do “monstro”. A expectativa, o medo, o mistério envolvem essa expedição. O “monstro” esse ser apavorante, é o “Nautilus”, primeiro submarino concebido e comandado pelo homem. O comandante é um enigmático capitão Nemo. Palco de uma luta terrível, o Oceano desencadeia as forças do mal nas suas águas tenebrosas. Uma leitura apaixonante de um dos maiores mestres de antecipação científica.

French naturalist Dr. Aronnax embarks on an expedition to hunt down a sea monster, only to discover instead the Nautilus, a remarkable submarine built by the enigmatic Captain Nemo. Together Nemo and Aronnax explore the underwater marvels, undergo a transcendent experience amongst the ruins of Atlantis, and plant a black flag at the South Pole. But Nemo’s mission is one of revenge-and his methods coldly efficient.

Moby Dick (1851), Herman Melville

moby_dickMas Ahab, quando se dirige à tripulação apelando para que o ajudem na sua demanda vingativa de caçar e matar a invencível Moby Dick, a branca baleia-leviatã, consegue reunir todos à sua volta, incluindo Starbuck, o relutante primeiro-oficial. Independentemente do grau da sua culpa (a escolha da tripulação era livre, ainda que apenas a recusa geral pudesse detê-lo), é melhor pensar no capitao do Pequod como num protagonista trágico, muito próximo de Macbeth e do Satanás de Milton. Na sua obsessão visionária, Ahab tem em si algo de quixotesco, apesar da sua dureza não ter nada em comum com o espírito de jogo do Quixote.

Moby-Dick; or, The Whale, was written by American author Herman Melville and first published in 1851. It is considered to be one of the Great American Novels and a treasure of world literature. The story tells the adventures of wandering sailor Ishmael, and his voyage on the whaleship Pequod, commanded by Captain Ahab. Ishmael soon learns that Ahab has one purpose on this voyage: to seek out a specific whale–Moby Dick, a ferocious, enigmatic white sperm whale. In a previous encounter, the whale destroyed Ahab’s boat and bit off his leg, which now drives Ahab to take revenge.

Jaws (a.k.a. Tubarão, 1974), Peter Benchley

tubarao‘Tubarão’ conta a história de uma cidade no litoral dos Estados Unidos que, de repente, se vê de pernas para o ar com os ataques de um enorme tubarão branco. Para tentar capturá-lo, juntam-se três homens: um oceanógrafo arrogante; o chefe de polícia local e um caçador de tubarões. Juntos, eles precisam localizar o tubarão e capturá-lo antes que ele volte a atacar. Esta obra deu origem ao filme Tubarão (1975), de Steven Spielberg, um enorme sucesso de bilheteira que, inclusivamente, se tornou responsável pela fobia de muitas pessoas em relação ao mar.

The classic, blockbuster thriller of man-eating terror that inspired the Steven Spielberg movie and made millions of beachgoers afraid to go into the water. Experience the thrill of helpless horror again — or for the first time!

Robinson Crusoe (1719), Daniel Defoe

robinson_crusoeEsta obra clássica da literatura de viagens transporta-nos através dos mares até à ilha perdida onde o herói, Robinson Crusoé, vive aventuras que desafiam a nossa imaginação.

Who has not dreamed f life on an exotic isle, far away from civilization? Here is the novel which has inspired countless imitations by lesser writers, none of which equal the power and originality of Defoe’s famous book. Robinson Crusoe, set ashore on an island after a terrible storm at sea, is forced to make do with only a knife, some tobacco, and a pipe. He learns how to build a canoe, make bread, and endure endless solitude. That is, until, twenty-four years later, when he confronts another human being. First published in 1719, Robinson Crusoe has been praised by such writers as James Joyce, Virginia Woolf, and Samuel Johnson as one of the greatest novels in the English language. 

The life of Pi (a.k.a. A vida de Pi, 2001), Yann Martel

vida_de_piPublicado em Portugal pela Difel em 2003, A Vida de Pi valeu a Yann Martel o Man Booker Prize de 2002, entre outros prémios, e figurou como bestseller do New York Times durante mais de um ano. Sete anos após a primeira edição, a obra ocupa a 74ª posição no top de ficção da Amazon americana e o 99º lugar na tabela de vendas da amazon inglesa. A Vida de Pi encontra-se publicada em mais de 40 países. Quando Pi tem dezasseis anos, a família decide emigrar para a América do Norte num navio cargueiro juntamente com os habitantes do zoo. Porém, o navio afunda-se logo nos primeiros dias de viagem. Pi vê-se na imensidão do Pacífico a bordo de um salva-vidas acompanhado de uma hiena, um orangotango, uma zebra ferida e um tigre de Bengala. Em breve restarão apenas Pi e o tigre.

Life of Pi is a masterful and utterly original novel that is at once the story of a young castaway who faces immeasurable hardships on the high seas, and a meditation on religion, faith, art and life that is as witty as it is profound. Using the threads of all of our best stories, Yann Martel has woven a glorious spiritual adventure that makes us question what it means to be alive, and to believe. Growing up in Pondicherry, India, Piscine Molitor Patel — known as Pi — has a rich life. Bookish by nature, young Pi acquires a broad knowledge of not only the great religious texts but of all literature, and has a great curiosity about how the world works. His family runs the local zoo, and he spends many of his days among goats, hippos, swans, and bears, developing his own theories about the nature of animals and how human nature conforms to it. Pi’s family life is quite happy, even though his brother picks on him and his parents aren’t quite sure how to accept his decision to simultaneously embrace and practise three religions — Christianity, Hinduism, and Islam.

mar_temaatema

Homem livre, o oceano é um espelho fulgente
Que tu sempre hás-de amar. No seu dorso agitado,
Como em puro cristal, contemplas, retratado,
Teu íntimo sentir, teu coração ardente.

Gostas de te banhar na tua própria imagem.
Dás-lhe beijo até, e, às vezes, teus gemidos
Nem sentes, ao escutar os gritos doloridos,
As queixas que ele diz em mística linguagem.

Vós sois, ambos os dois, discretos tenebrosos;
Homem, ninguém sondou teus negros paroxismos,
Ó mar, ninguém conhece os teus fundos abismos;
Os segredos guardais, avaros, receosos!

E há séculos mil, séc’ulos inumeráveis,
Que os dois vos combateis n’uma luta selvagem,
De tal modo gostais n’uma luta selvagem,
Eternos lutador’s ó irmãos implacáveis!

Charles Baudelaire, in “As Flores do Mal”
Tradução de Delfim Guimarães