Eu * Me

Biografias, histórias verídicas, acontecimentos reais. Hoje o tema da rubrica ‘Tema a tema” é tão simples quanto isto: quem anda por aí a marcar-nos e inspirar-nos?

Biographies, true stories, real events. Today the subject of the category ‘Theme by theme’ is quite simple: who’s out there trying to get inside our heads and inspiring us?

William Kamkwamba

william_kamkwambaWilliam Kamkwamba nasceu no Malawi e, depois de uma infância feliz, aos 13 anos vê-se obrigado a deixar a escola por falta de meios. Numa altura em que o país é assolado por uma terrível fome e várias famílias vivem na mais absoluta pobreza, William sonha com a mudança e a alteração da vida que o rodeia. O jovem é levado a uma biblioteca local onde descobre um livro que explica o funcionamento dos moinhos de vento. Por impulso, William recorre a materiais improvisados, muitas vezes recolhidos em sucatas, e consegue montar dois moinhos de vento que permitem o fornecimento de energia eléctrica e água bombeada a partir de um poço à sua pequena comunidade. O seu feito tornou-se notícia em todo o mundo e, com a ajuda de Bryan Mealer, é relatado nesta obra que retrata os diversos problemas que afligem o continente africano.

A sua história é narrada no seu livro O Rapaz que Prendeu o Vento.

Texto retirado daqui.

William Kamkwamba, from Malawi, is a born inventor. When he was 14, he built an electricity-producing windmill from spare parts and scrap, working from rough plans he found in a library book called Using Energy and modifying them to fit his needs. The windmill he built powers four lights and two radios in his family home. After reading about Kamkwamba on Mike McKay’s blog Hactivate (which picked up the story from a local Malawi newspaper), TEDGlobal Conference Director Emeka Okafor spent several weeks tracking him down at his home in Masitala Village, Wimbe, and invited him to attend TEDGlobal on a fellowship. Onstage, Kamkwamba talked about his invention and shared his dreams: to build a larger windmill to help with irrigation for his entire village, and to go back to school.

His story is told on the book The Boy Who Harnessed the Wind.

Find out more about William right here (my info source)

Donya Al-Nahi

Donya_al_nahiA vida de Donya al-Nahi, uma inglesa loira e de olhos verdes que se converteu ao islamismo, mudou no dia em que conheceu uma mulher britânica, casada com um muçulmano, cuja filha de seis anos tinha sido raptada e levada para a Líbia pelo próprio pai. Comovida pelo desespero da jovem mãe, Donya respondeu corajosamente: “Vamos lá buscá-la.” Pouco depois, arriscou a vida para resgatar a criança enquanto ela ia para a escola, em Trípoli. A intensidade da experiência foi tal que Donya decidiu ajudar outras mulheres igualmente sós e impotentes perante a maior das crueldades. “Ninguém tem o direito de separar uma criança da mãe”, afirma. Dezenas de crianças foram salvas graças à audácia e ao altruísmo de Donya. Este é um testemunho tremendamente honesto e emocionante de uma mulher heróica que teve de suportar os maiores riscos e até a prisão em alguns dos locais mais perigosos do mundo.

A sua história é narrada no seu livro A Heroína do Deserto.

When Donya Al-Nahi helped her friend reunite with her kidnapped child, she embarked upon a calling that was to help hundreds of women in the same situation. These women’s children are not taken by a stranger—they are snatched by their own fathers, usually Middle Eastern men who do not wish their children to be exposed to a Western upbringing, and so take the children back to the countries of origin. What started as a favor to a friend has turned into a life’s work for Al-Nahi. In this book, she describes her adventures, venturing into the most dangerous parts of the world, such as Iraq, Libya and Dubai, in order to find the children and bring them home to their mothers. She has been arrested and thrown in jail, but this has not dampened her determination to do the right thing and reunite mother and child.

His story is told on the book Heroine of the Desert.

Zlata Filipovic

zlata_filipovicNo seu diário de menina, com as suas próprias palavras, inscrevem-se dia a dia os reflexos da vida que a cerca. De repente, a guerra rebenta às portas de sua casa. os temas mais vulgares cedem então lugar ao medo, à cólera e à incompreensão. O universo de Zlata cai em pedaços. Os bombardeamentos e os atiradores solitários semeiam a morte; falta a água, a electricidade, os alimentos… Zlata chora a sua infância destruída, mas continua a escrever e a testemunhar. Hoje, quando os conflitos trágicos da ex-Jugoslávia se enredam em negociações sem fim, a voz desta jovem de Sarajevo ajuda-nos a compreender melhor os sofrimentos e o desespero de um povo inteiro.

A sua história é narrada no seu livro O Diário de Zlata.

Zlata Filipovic was a teenager in Sarajevo – and her diary of life under siege touched the world. Now, 20 years later, she says the lessons of that terror still have not been learnt. Twenty years ago this week, as the bombs began raining down on Sarajevo, Zlata Filipovic wanted to escape. Cowering with her family in the basement of their house, frozen with fear, she dreamed of peace and freedom. Two decades later, Miss Filipovic, now 31, says those dreams of peace are still the same for her generation of young Bosnians. And, as in the early 1990s, young people again want to escape Sarajevo. “I really worry that it is going to erupt again,” she said. “There is still so much ethnic hatred and resentment. “The majority of my friends are leaving or have already left. There is no work, no hope, and no future there.” Miss Filipovic is among the most well known of Sarajevo’s exiles. In 1991, aged 11, she began keeping a diary. “I wanted it to be funny, like Adrian Mole,” she explained.

Find out more about this interview right here (my info source) and about her book here.

Shin Donghyuk

shin_donghyukSobrevivente de um campo de concentração, Shin Donghyuk foi forçado a assistir à execução da sua mãe e do seu irmão na Coreia do Norte. A sua história é narrada por Blaine Harden em ‘Escape from camp 14’ (cuja edição portuguesa desconheço), sob a perspectiva de Shin. Ao longo do livro, revelam-se os segredos do Estado totalitário mais repressivo dos nossos dias. Entre a busca por comida, as falsas acusações, os testumunhos de execuções cruéis, ‘Escape from camp 14’ narra a corajosa e inédita fuga de Shin.

Concentration camp survivor Shin Dong Hyuk was forced to watch his mother and brother executed in a North Korean hell-hole. And today he revealed HE was the informer who told prison guards of their plans to escape. Hyuk had been born into captivity as his mother and brother were held at the hands of now dead dictator Kim Jong-il. But he heard them planning an escape and was so brainwashed he informed om them to cruel camp guards. “I was only 13 at the time and we had always been told if we heard or knew of something we had to inform the guards. If not we would get punished,” said Shin Dong. But Shin Dong, thought to be the only person born in a North Korean camp and who managed to escape, said he was haunted every day by what he had done.

His story is told on the book Escape From Camp 14.

Read the full interview right here (my info source).

Eu * Me

Fonte: Blog Klekeesh. Imagem feita para o TEDx Ramallah, inspirada numa mulher palestiniana com uma grave condição física e condutora de um táxi em Beirute.

Fonte: Blog Klekeesh.
Imagem feita para o TEDx Ramallah, inspirada numa mulher palestiniana com uma grave condição física e condutora de um táxi em Beirute.

A minha inspiração são os homens e as mulheres que surgiram em todo o globo e escolheram o mundo como o teatro das suas operações, e que lutam contra as condições socioeconómicas que não promovem o avanço da Humanidade, onde quer que este ocorra. Homens e mulheres que lutam contra a supressão da voz humana, que combatem a doença, a iliteracia, a ignorância, a pobreza e a fome. Alguns são conhecidos, outros não. Essas são as pessoas que me inspiraram.

Nelson Mandela, in ‘Conferência na London School of Economics, Londes, 6 Abril 2000’