Mein zweites leben (a.k.a. A minha segunda vida, 2014), Christiane F.

christianef_segunda_vida

A vida de Christiane F. deu a volta ao mundo. Milhões de jovens cresceram com as confissões trágicas desta adolescente alemã, de 13 anos, drogada, prostituta. E depois? Qual foi o seu destino?  Trinta e cinco anos mais tarde, Christiane F., hoje com 51 anos, fala-nos dos tempos que se seguiram à publicação do livro Os Filhos da Droga e das diferentes etapas da sua vida até aos dias de hoje: os anos felizes na Grécia, depois de ter estado presa, o combate constante contra a dependência, o convívio com os seus ídolos do rock&roll e os momentos de felicidade com o seu filho, Phillip. Sem subterfúgios, tendo como pano de fundo o mundo da droga e as relações que se estabelecem, aquela que o mundo conhece como Christiane F. conta tudo neste livro, com uma franqueza surpreendente.

Apreciação

Li ‘Os filhos da droga’ repetidamente e, de todas as vezes que o li, descobri novos segredos e perspectivas vividas pela protagonista, uma rapariga de apenas 13 anos que se viu mergulhada no mundo da droga e da prostituição. Através dos olhos de Christiane, conhecemos um dos lados mais negros de Berlim dos anos ’70 e acompanhamos a sua demanda que parece interminável: a sua ingenuidade e incompreensão do mundo à sua volta leva-a a uma vida dura pelas ruas da cidade, onde procura a saída deste pesadelo.

Tenho acompanhado, na medida do possível, o percurso de Christiane F. aos longo dos anos, fiquei muito entusiasmada ao saber que um novo livro vinha a caminho e não resisti a comprar ‘A minha segunda vida’ mal saiu para as bancas. Não sabia bem o que esperar, visto que o resultado está à vista: Christiane F. está viva e teve uma vida bastante mais longa do que alguma vez imaginou ou que os médicos alguma vez tenham previsto. O que podemos esperar, então, deste livro? Quem é, agora, Christiane F.? Será que o título inglês (‘I can’t get clean’) é mais fiel do que o título em português – porque, na verdade, apontam para caminhos diferentes?

Pode dizer-se que Christiane F. cresceu e amargurou. Agora que é adulta, madura, mais forte, revela que compreende o seu percurso e, de certa forma, aceita a sua sina, mas sempre com um tom amargo e ressentido. Olhando para trás, apercebe-se de todos os problemas familiares que sofreu durante a infância e início da adolescência e que considera como responsáveis pela sua necessidade de afirmação, pela sua procura incessante de companhia e pela dormência que apenas a droga lhe oferecia.

Embora alguns acontecimentos familiares tenham sido descritos no primeiro livro, apenas agora a protagonista consegue realmente avaliar o impacto que a sua vida em casa teve em si e as consequências que gerou. Se, por um lado, o pai era demasiado severo, Christiane considera a sua mãe passiva e grandemente responsável por aquilo em que a sua vida se tornou, o que a levou a afastar-se do seio familiar e a procurar o seu lugar no mundo, passando por várias cidades alemãs, Grécia, entre outros. Isto é algo que Christiane tem em mente quando partilha a sua história com Sonya Vukocic, a jornalista que vai escrever o seu livro, transparecendo uma enorme lucidez na análise do seu percurso e na forma como encara a sua vida num passado recente, nomeadamente no relacionamento que tem com o seu filho: Christiane pode cometer muitos erros como mãe, mas de certeza que não cometerá os que a sua mãe cometeu consigo. Esta perspicuidade e a perspicácia com que a protagonista se auto-avalia e avalia o mundo em seu redor demonstra, no geral, uma enorme capacidade analítica e inteligência, que acabam por ir contra a dor psicológica e emocional com que se deparou desde criança e que a guiaram durante praticamente toda a sua vida sob a forma de droga. 

No geral, embora este livro me deixe uma impressão dúbia sobre Christiane, acaba por conseguir transparecer o enorme esforço de Christiane e de Vukocic em retratar a protagonista como uma mulher normal com uma fraqueza, e não como uma drogada que, por acaso, tem coisas a acontecer à sua volta. É interessante. Se puderem, leiam.