eReaders vs. livros

livros_ereaders

O tema continua a não ser actual, mas aparentemente a opinião é unânime: com um eReader, não mergulhamos a fundo na história. Foi precisamente isso que senti com o Kobo, que acabei por não voltar a utilizar depois de algumas tentativas. Acontece-vos o mesmo?

_________________

Leitura em ereaders resulta numa experiência menos imersiva do que nos livros

A digitalização dos livros traz muitas vantagens para as pessoas – como o facto de poder andar com dois mil livros no bolso -, mas até que ponto a tecnologia não “arrefece” a relação do leitor com a história?

Foi exatamente isto que um grupo de investigadores quis saber e procedeu à seguinte experiência: a mesma história foi dada a ler a 50 pessoas; 25 leram-na num ereader Kindle, as outras 25 leram em formato papel. No fim concluiu-se que os leitores “digitais” não tinham assimilado tão bem a cronologia da história.

A académica Anne Mangen, da Universidade de Stavanger na Noruega, partiu de uma outra experiência que tinha sido realizada em moldes semelhantes, mas em vez da utilização de um ereader a leitura digital foi feita através de um iPad. Nessa altura os leitores mostraram ainda ter menos capacidade de empatia com a história e sentiram uma experiência menos imersiva.

No estudo que envolveu o Kindle a única diferença significativa notória entre os dois grupos de leitores deu-se ao nível da cronologia da história. Explica Anne Mangen que nos livros os leitores usam o toque e o número de páginas já percorridas para situar a ação, algo que não acontece nos ereaders.

Mas neste caso a história de leitura tinha 28 páginas, um número que acaba por não se enquadrar completamente na justificação avançada, The Guardian. No entanto a académica também alertou para o facto de a experiência poder ter resultados diferentes se aplicada aos chamados “nativos digitais”.

O estudo já foi apresentado publicamente, mas vai ser em breve publicado para que a restante comunidade académica possa fazer as suas avaliações e possa, quem sabe, partir deste estudo para outras descobertas tal como Anne Mangen fez.

A investigadora não é nova neste tipo de estudos: no final de 2013 conduziu uma outra experiência em que entregou o mesmo documento a dois grupos de estudantes – um em papel, outro em PDF. No final foi possível concluir que quem tinha lido o texto em papel, acabou por conseguir resultados significativamente melhores numa prova de compreensão relacionada com o texto.

Notícia publicada no TekSAPO a 21.08.2014, ao abrigo do novo acordo ortográfico.