O Coração é o Último a Morrer (2015), Margaret Atwood

coracao_ultimo_morrer

Charmaine e Stan estão desesperados: sobrevivem de pequenos trabalhos menores e vivem no carro. Portanto, quando veem um anúncio a Consiliência, uma «experiência social» que oferece empregos estáveis e casa própria, inscrevem-se imediatamente. A única coisa que têm de fazer em troca é ceder a sua liberdade mês sim, mês não, trocando a sua casa por uma cela da prisão. Não tarda, porém, que Stan e Charmaine, sem o saberem um do outro, comecem a desenvolver obsessões apaixonadas pelos seus «Alternantes», o casal que ocupa a sua casa quando estão na prisão. E assim mergulham num pesadelo de desconfiança, culpa e desejo.

Apreciação em cinco pontos:

  • Esta realidade distópica é descrita de forma gráfica, quase cinematográfica, acompanhando as perspectivas de ambos os protagonistas em simultâneo, o que nos permite avaliar as suas escolhas e motivações ao longo da sua estadia numa experiência social, num futuro marcado pela desintegração do mercado laboral, financeiro e social;
  • Com laivos de uma realidade semelhante à de George Orwell, em 1984, no que respeita à execução de tarefas, controlo dos habitantes do perímetro e aperfeiçoamento de uma sociedade auto-sustentável, O Coração é o Último a Morrer levanta questões sobre o que é moralmente aceitável e discutível naquela que seria a criação de uma comunidade ideal, com equidade e equilíbrio;
  • As personagens são perspicazes e desenrascadas, criadas com o propósito de lidar com várias questões de carácter social e sexual que vão surgindo ao longo da narrativa;
  • Embora o cenário predominante seja o perímetro desta experiência social, pode afirmar-se que um dos principais impulsionadores da história é o sexo, que é transversal e bastante presente, como se se tratasse de uma segunda realidade colocada a papel vegetal sobre a narrativa principal;
  • A este propósito, levanta-se ainda uma questão bastante pertinente sobre o mercado sexual e, consequentemente, da influência e do poder do sexo e da tecnologia como solucionadores de um problema económico à escola global.

The book has gay Elvis impersonators, a Marilyn Monroe lookalike in love with a soft toy and a talking head in a box. – The Guardian.

Ficha de O Coração é o Último a Morrer:
Margaret Atwood
Título original: The Heart Goes Last
Publicação: 2015
Editado em Portugal pela Bertrand Editora em 2017.

Para saber mais sobre este livro, visite:

Advertisements