Sugestão de fim-de-semana

Ouvir a chuva.

Começar a pensar no Natal.

E ler um livro.

Churchill e Orwell

Churchill e Orwell – A Luta pela Liberdade”, por Thomas Ricks

Thomas Ricks, escritor e jornalista norte-americano, leu a obra de George Orwell, “1984”, a pensar constantemente em Winston. Não na personagem principal do romance distópico, mas sim no outro Winston, o primeiro-ministro britânico Winston Churchill. Essa leitura deu origem a esta obra que a Edições 70 agora apresenta e que vai interessar a todos os que se interessam pela política e, certamente, a todos os interessados nas vidas e obras de Orwell e Churchill.

A Edições 70 acaba de lançar a obra “Churchill e Orwell – A Luta pela Liberdade”, da autoria do escritor e jornalista norte-americano Thomas Ricks.

O primeiro-ministro britânico Winston Churchill e o escritor George Orwell foram homens muito diferentes, mas foram também, nas expressões do historiador Simon Schama, «aliados muitíssimo improváveis» e «arquitectos do seu tempo». Churchill, filho de aristocratas e membro do gabinete do governo no reinado da rainha Vitória, estava politicamente alinhado com uma direita conservadora, imperialista e profundamente defensora do colonialismo britânico. Orwell, por outro lado, era um militante de esquerda, oriundo da baixa classe média e grande anti-imperialista.

As preocupações de ambos estão na origem daquilo que foi o seu trabalho e a sua produção escrita, são inquietações prementes e revelam tantos pontos de contacto e afinidades intelectuais que Thomas Ricks, escritor e jornalista, não conseguiu ler a obra de Orwell sem pensar constantemente em Winston, não a personagem do romance distópico 1984, mas sim outro Winston, Winston Churchill. Ambos reconheceram, como Thomas Ricks demonstra neste ensaio, que a grande questão do século XX não era quem controlava os meios de produção, como Marx julgara. Nem como funcionava a psique humana, como Freud defendera, mas sim como preservar a liberdade do indivíduo num tempo em que o Estado interferia cada vez mais na esfera da vida privada. Em última instância, e como grandes combatentes dos totalitarismos, de que modo podemos pensar a liberdade e de que vocabulário precisamos para discutir com os governos que não ouvem os cidadãos?

Sobre o livro:

  • Ano de edição ou reimpressão: 10/2018
  • Editor: Edições 70
  • Classificação Temática: História Moderna e Contemporânea 
Advertisements